Ninguém mais pode gerir sua marca | Estúdio Vertá
Gestão

Ninguém mais pode gerir sua marca

Branding é o termo do momento na área do marketing. Pergunte pra qualquer agência se ela trabalha com branding e a chance de você receber um “sim” orgulhoso é altíssima. Isso se deve muito à uma lógica básica do marketing: demanda. Branding é um termo que vende, logo, é natural que o pessoal que mais entende de demanda use-o a seu favor. Mas tem mais…

Desconstruindo o Branding

Abrasileirando, esta palavrinha significa “Gestão de marca” e esse é o segundo motivo para essa popularização: por ser um assunto amplo, complexo e relativamente novo, pouquíssimas pessoas sabem o que é Branding. Obviamente se formos estudar a fundo o assunto, precisaríamos de bibliotecas inteiras e ainda assim restariam algumas dúvidas. Pos isso, a ideia aqui é dar uma base de entendimento para empreendedores que não são da área.

Simplificando, gestão é o processo de avaliação e tomada de decisão em prol de algum objetivo específico (neste caso, a marca). Uma marca, por sua vez, não é só um logotipo, ou um nome. É como as outras pessoas percebem o seu negócio: por quê é melhor, quais as características, quanto vale, de onde veio, pra que serve, etc.

Se um cliente acha que seu produto “não vale o quanto você cobra”, o problema está mais na sua marca do que no seu preço, pois o cliente não vê valor.

influenciando uma marca

O grande desafio do branding é que o verdadeiro dono das marcas não são os empresários, mas os consumidores. Eles que formam opiniões sobre nós e, em tempos de Facebook e Reclame Aqui, influenciam outros potenciais compradores. Isso significa que o gestor não tem o controle sobre sua própria marca – ele apenas a influencia. Você pode até falar sobre sua marca, mas cada um a perceberá da sua própria forma.

Quem pode gerir minha marca?

Nossa percepção é muito mais inconsciente do que imaginamos. Nosso cérebro está a todo instante analisando e filtrando informação de forma automática e somente algumas dessas toneladas de dados chegam à nossa consciência. Esses dados (conscientes e inconscientes) formam nossa percepção sobre as empresas.

Isso significa que até um atendimento telefônico pode arruinar o que um cliente pensa de uma marca. De fato, todo ponto de contato acaba transmitindo uma mensagem: desde a publicidade à entrega do produto, do logotipo ao conforto do sofá da recepção. Tudo influencia na hora do nosso inconsciente valorar uma empresa.

empreendedor sendo controladoPor isso, considerando que sua empresa não seja uma gigante S.A., ninguém mais pode gerir uma marca por você. Grandes empresas tomam decisões de maneira sistematizada e por isso possuem diversos gestores (financeiro, administrativo, branding, recursos humanos, etc), cada um participando da resolução dos problemas de acordo com sua especialidade. Já uma pequena ou média empresa, não costuma ter processos ou diretores na sua tomada de decisão. O dono da padaria do bairro vai solucionar sua inquietação empresarial enquanto toma banho. A gerente da loja de roupas do centro vai tomar uma decisão enquanto fecha o caixa.

Isso significa que a responsabilidade de gerar uma boa percepção de marca é exclusivamente do empreendedor. Aqui na Vertá, por exemplo, desenvolvemos manuais, norteadores, estratégias e criações para ajudar nessa tarefa, mas essas são apenas ferramentas e conhecimento para o empreendedor gerir sua marca de maneira mais assertiva (sem o isentar de sua responsabilidade).

Uma agência de publicidade pode gerir a comunicação da sua empresa, mas nunca sua marca. Um consultor de branding pode lhe dar conselhos valiosos, mas nunca tomar as decisões por você. A não ser que você queira ser um boneco de ventríloquo.

Por isso, da próxima vez que ouvir a palavrinha branding, pode dizer à vontade que você, sim, faz branding (de verdade).

Comentar

Todos os direitos reservados © Vertá.